Jurema

A comunidade surge a partir de famílias remanescentes do estado de Sergipe ocupantes de inúmeras tarefas de terras, pois ai não havia dono quem fosse chegando ia demarcando seu espaço e denominando-se proprietários as chamadas fazendas, ai criavam bois, porcos, cabras, ovelhas cavalos etc. composta basicamente por nove familiares Anórios, Martins, Teófilo, João Gama, João Rodrigues, Anjos, pelos Valentin e Torquato essas duas ultimas considerados pobres prestadores de serviços nas fazendas dos senhores já mencionados. seus primeiros habitantes provavelmente tenha chegado nestas terras no final do século IX, estudos feito na década de 90 por alunos do ensino fundamental I orientado pelos professores Almeida e Leda Santos relata… A comunidade de Jurema localiza-se ha 18 km do município de Fátima ao leste, faz fronteira com as comunidades de Jurema de Adustina ao norte, São Miguel ao leste com Farias ao sul, Malada de Areia e ao poente com serra velha. A base econômica é agricultura e a pecuária, sendo que agricultura especialmente do feijão e do milho dos pequenos produtores a principio é de subsistência vendendo o excedente nas feiras livres de poço verde SE, Fátima e Adustina, ambas na Bahia. O cultivo da cultura do feijão e milho mesmo tendo acompanhamentos de órgão ligados a agricultura o manuseio e o preparo do solo bem como a colheita destas culturas é alienado a base do costume, tradição.

 O ESPORTE: O futebol da comunidade de jurema remota da década de 70 iniciados por garotões da região e tornou-se um dos mais brilhantes “Nossos clássicos do esporte que começaram em meados dos anos 70 em pequenos campos feitos em fundos de casas, treinando nas horas de folgas em especial nos finas da tarde logo ao arriar os trabalhos (extremante pesados, braçais); já que a vida no campo nada é fácil em relação à economia e a cultura principalmente naquela época. O futebol desta comunidade torna-se umas das equipes mias privilegiada de toda a região, ganhando ou perdendo, nunca desistiram”. (ALMEIDA, 1996) Um futebol feito de orgulho alegria e pretensões e mama sensações indescritíveisForam anos de chumbo e de ouros de chumbo tentarei descreve de melhor maneira possível para que os que conheçam tentem aprender e não mais repeti-los os de ouro valem pra ouvir, imaginar e sentir quanto o talento do nosso futebol juremenses foi, é capaz desde a primeira geração quando tudo começou aos dias de hoje… (ALMEIDA, p.2) Os momentos espetaculares de nossos ídolos, a fúrias de nossa torcida, a revolta dos adversários, o sabor das vitorias que permanecem doces em nossas gargantas. parece que foi ontem que tudo começou, nasceu iluminada pela festa que veria acontecer e aconteceu… Na explosão da alegria, fogos explodem no ar Anunciando novos tempos, novas lutas, conquistas dias melhores surgiram. (idem)

 MITOS E LENDAS: Conta o mito que ano de 1932, a seca a solo o sertão baiano especificamente na região de Fátima  uma jovem negra com uma criança de peito no colo perambulava as longas, poeirentas e desertas estradas das fazendas esmolando, conta-se que o período era calor, sol castigaste do mês de janeiro/ fevereiro não se sabe ao certo, falta de água característica do sertão nordestino, as denominadas fazendas estavam distante de 8 a 10 quilometro de distancia, a jovem negra dependia da boa vontade dos senhores fazendeiros para se alimentar certo dia em suas andanças a esmolar a jovem negra chega  a fazenda do senhor José Teófilo um dos mais ricos da região, ao mendigar pedindo comida e água é negada e a expulsa de seus terrenos esta vai embora fraca de fome, com sede e sugada pela sua criança, na área quentes aquecidos do sol com pés descalçam e todo tipo de miséria. (Teófilo: Vai embora negra suja miserável, trabalhe e terá o que comer… Dalvirgens: Zé se não ajudarmos ela morrerá de fome! Ta muito fraca e acriança coitada! Narrador: Zé estupidamente esbofeteia sua esposa e expulsa a jovem mãe negra faminta ) trecho da peça teatral A NEGRA DA CUZ BRANÇA, encenada pelos jovens da comunidade outubro de 2005. Conta-se que a senhora Dalvirgens esposa do fazendeiro foi surrada pelo mesmo ao tentar acolher a jovem negra mandinga. Horas depois um de seus empregados a encontram morta debaixo de uma sucinta sombra de uma árvore a criança supostamente morta também sugando os peitos, avisado o senhor Teófilo essa providencia um velório (sentinela) o mais badalado da região deixando crer que a colheu, e conseqüentemente fez o seu sepultamento no local onde seu corpo fora encontrado ( seus ternos)  dizem que no dia seguinte a mortalha da negra e da criança estavam intacta nas calçadas de sua residência, amedrontado pede que seus empregado coloque de volta na cova onde fora enterrada a jovem mendiga e o episódio repete-se por 3 a 4 vezes por fim o segredo é revelado a os demais fazendeiros da região bem como ao padre da paróquia , reza uma missa e tudo volta o normal dando assim origem o cemitérios cruz da negra da jurema hoje o maior do município de Fátima e adjacência.

LOBISOMEM: O lobisomem conta-se na década de 70 a 90 do século passado no período quaresmal dois senhores da comunidade conhecido por João fubá e Timóteo vivavam lobisomem .

 EDUCAÇÃO: Na nossa comunidade não foi diferente a educação no  Em 1990 inicia uma nova era no âmbito educacional depois de uma parada de quase 4 anos quando em 1988 o professor Edmilson Oliveira lecionava nesta localidade sendo naquela época a única escola publica do município, após Adustina passa ser cidade independente de Paripiranga o governo municipal implanta na região uma sala de aula a mais precária que se possam imaginar as aulas era ministrada em uma casa rural em um espaço de pouco mais de 12 m².  com uma única turma de 65 alunos mista o professor Jose Almeida abre novos perspectivas em 1992 mais três professores foram adicionado a rede e por ultimo mais professor as condições não era diferente da descrita porem a qualidade de ensino era considerada a melhor possível embora todos trabalhavam com o mesmo método o que poderíamos chamar de o método o tradicionalismo. Havia um respeito mutuo entre os professores e comunidades esses professores eram alem de professores animadores de comunidades,

 Construção da Igreja: ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *