Condenado a mais de 20 anos de prisão, pombalense é libertado por engano de Presídio em Paulo Afonso-BA

Na última quarta-feira, 22, o detento José Renê Santos Cruz, foi libertado do Conjunto Penal de Paulo Afonso-BA onde cumpria pena após ser condenado a mais de 20 anos de prisão. O problema é que Renê foi liberado indevidamente, já que o segundo o Diretor do Presidio, Major Jorge Junior, o mesmo se passou por outro detento beneficiado com alvará de soltura, inclusive assinando seu nome no documento de soltura.

Renê é irmão de José Romário Cruz, ambos de Ribeira do Pombal, e por serem parecidos, o detento se passou pelo irmão, conseguindo sair do Conjunto Penal, já  José Romário que facilitou a ação, foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil e vai ter que se explicar para a Justiça.

O órgão explicou que houve uma falha no sistema de identificação. A direção disse ainda que após constatar a soltura indevida, o Judiciário foi informado para expedição de novo mandato prisão contra o detento solto por engano. Para o Major Jorge o detento usou de má fé. Um Processo Administrativo Disciplinar será instaurado para apurar as responsabilidades do ocorrido. A direção do presídio disse ainda que está se esforçando para que o presidiário seja recapturado.

“Uma situação inusitada e realmente da mesma forma que acertamos, erramos e aceitar em dizer que realmente foi uma falha nossa, mais essa falha foi originada por várias situações, para se ter uma ideia, é um processo muito criterioso a liberação de um interno, ele passa por três setores, primeiro ele sai do modulo, a gente pega o alvará de soltura ou livramento condicional a depender do caso, é encaminhado a coordenação de registro e controle, onde verifica-se consultando vários bancos de dados e depois dessa avaliação pelo registro de controle, ele vai para a coordenação de segurança onde é feito o comparativo da foto, documentos e uma pequena entrevista para ver se realmente aquele alvará pertence aquela pessoa, como nome de pai, mãe, dados que tem ali, número de identidade entre outros, todo esse critério foi cumprido. Ocorre que o Renê é irmão do José Romário Cruz e são muito parecidos, ele se passou pelo irmão e acabou sendo liberado no lugar do irmão”. Contou o Diretor do Presídio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *